Ser criativo em tempo de pandemia

Ser criativo em tempo de pandemia

Read more

Quem vê marcas, vê corações

Quem vê marcas, vê corações

Read more

Sucesso através de uma sólida estratégia editorial!

Sucesso através de uma sólida estratégia editorial!

Read more

Agora é a hora!

Agora é a hora!

Read more

As vantagens do audiovisual para a sua empresa

As vantagens do audiovisual para a sua empresa

Read more

Conquistar e fidelizar com conteúdo

Conquistar e fidelizar com conteúdo

Read more

Design de Interfaces

Design de Interfaces

Read more

Comunicação visual e o sucesso da sua empresa

Comunicação visual e o sucesso da sua empresa

Read more

Começou discreta - “no outro lado do mundo” - mas rapidamente se espalhou por todo o planeta. A Covid-19 entrou nas nossas vidas, impôs o isolamento e obrigou-nos a adaptar rotinas e estratégias. Como ficam as marcas no meio da pandemia? É tempo de comunicar ou calar?


Vamos diretos ao assunto. Marcas: este não é o momento para ficar em silêncio – e quem o fizer corre o risco de cair no esquecimento. Mais do que nunca, este é o tempo das marcas agirem, reinventarem-se, testarem novos modelos de trabalho, digitalizarem os seus processos e comunicarem de forma empática. A mudança é uma inevitabilidade, por isso a flexibilidade e a criatividade têm de ser constantes. Não vamos mentir: os desafios são (e vão continuar a ser muitos), mas não é o momento de baixar a guarda.  

 

covid 

 

Esta fase pode ser entendida como uma oportunidade para as marcas comunicarem o seu propósito e reforçarem os laços com os seus consumidores, oferecendo-lhes conteúdos relevantes de âmbito informativo, formativo ou lúdico. As que o fizerem, têm uma maior probabilidade de ficar na memória e no coração dos consumidores na era pós-Covid-19.

 

Responsabilidade social chamada ao combate à Covid-19

Nos tempos que correm existem estratégias que revelam o lado mais humano das marcas. E, neste âmbito, temos assistido a bons exemplos onde a solidariedade impera. Desde a oferta de espaço publicitário ou dos próprios canais de comunicação para difundir mensagens preventivas, fábricas que, não sendo a sua área de negócio, aproveitaram a maquinaria e know-how disponível para desenvolverem equipamento de proteção e fazer face à escassez no mercado, a responsabilidade social das marcas está a ser canalizada para a luta contra a Covid-19.


Tendências: estar online e, sobretudo, estar live

Com as suas portas fechadas, uma fatia considerável das empresas passou a sobreviver, exclusivamente, da presença online, e acredita-se que é lá que irão permanecer até que toda esta situação normalize.

 

e commerce

 

Sem grandes surpresas, o e-commerce explodiu – afinal, estamos em casa, mas continuamos a consumir -, mas a grande vitória, diríamos, é a das redes sociais, com os lives a dominarem as plataformas digitais. Os diretos que têm inundado a internet, são uma das ferramentas que as marcas têm usado para publicitar os seus produtos e serviços, entreterem e continuarem a estar presentes na vida dos consumidores. Com apenas um dispositivo eletrónico, seja um telemóvel ou um computador com webcam, as empresas partilham, ao vivo e a cores, conteúdos com os seus seguidores. Desde chefs de renome a cozinhar, a personal trainers a dar aulas de fitness, ou formações nas mais diversas áreas, tudo acontece online.

 

live

 

Também a cultura, uma das áreas mais afetadas após decretado o estado de emergência, reagiu com criatividade e audácia e, em poucos dias, os espetáculos e festivais migraram para o digital e chegaram às nossas casas.  
Na área da comunicação social, também assistimos a bons exemplos de adaptação. O Público, cliente da SALVADO, tem vindo a desenvolver um trabalho notável em termos de informação credível desde o início da pandemia e adaptou alguns dos seus produtos ao contexto atual – a título de exemplo, possibilitou a entrega do jornal em casa e criou a secção Ficar (em casa).


Na área da beleza profissional, o momento é sensível, mas os profissionais e marcas têm dado provas da sua resiliência. Com os estabelecimentos encerrados após ser decretado o estado de emergência nacional, os profissionais encerram atividade. Mas o mercado não está, nem pode estar, parado. Veja-se o exemplo da Beautyland, a plataforma de beleza dedicada exclusivamente aos profissionais deste sector, detida pela SALVADO, tem procurado estar cada vez mais ativa e próxima da sua comunidade, desafiando os profissionais e as marcas a aproveitarem este momento para partilharem conhecimento teórico e prático em formações online, disponibilizando, para tal, as suas plataformas.

 

Como é que a SALVADO pode ajudar?

Estamos em casa, mas não estamos parados. Com um olho posto no presente e outro no futuro, conformamo-nos com a realidade que atualmente vivemos e ansiamos pelo dia em que voltaremos ao escritório, e à nossa maravilhosa vista sobre o rio Tejo.

FOTO WE LOVE SALVADO

Mas não é isso que nos impede de continuar a prestar o serviço de qualidade aos nossos clientes nem, tão pouco, a dar as boas-vindas aos novos clientes. Estamos, ao seu lado, para o ajudar a gerir as redes sociais da sua empresa ou a criar materiais de comunicação para os seus canais digitais. E porque o futuro pode acontecer a qualquer momento, preparamos, ativamente, o futuro: se é um profissional de beleza, tem à sua disposição o serviço de personalização de material de trabalho – desde máscaras e batas a agenda e outros materiais essenciais ao seu dia-a-dia.

 

Partilhar